Orquestra Criativa sopra 10 velas com música, histórias, e surpresas. Este é um projeto de inclusão e diversidade

pub

A Orquestra Criativa de Santa Maria da Feira comemora 10 anos de existência e para assinalar a data leva a cabo, no próximo dia 16 de fevereiro, no Museu do Papel Terras de Santa Maria, uma exposição dos melhores momentos desta década de criação musical coletiva. Um projeto inclusivo de envolvência da comunidade que tem na sua génese a inclusão e a diversidade.

A Orquestra Criativa de Santa Maria da Feira nasce em 2008 fruto de um desafio lançado pelo Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Artes de Rua. O objetivo era desenvolver um trabalho com a comunidade que juntasse músicos e não músicos de diferentes contextos socioeconómicos e culturas musicais. Dez anos depois, o trabalho está à vista com o envolvimento de escolas do 1.º ciclo ciclo e instituições sociais. Um projeto onde sempre se quis levar e trazer a música de e para todos, com o convite à participação das associações e bandas locais na criação de espetáculos com alcance social e artístico. A diversidade e multidisciplinaridade são tónicas desta família musical que já incluiu artistas nacionais e internacionais.

A música como instrumento de inclusão social é o lema da Orquestra Criativa e é o que poderá ser visto no próximo dia 16 de fevereiro, pelas 16h00, no Museu do Papel Terras de Santa Maria, em Paços de Brandão, na celebração dos 10 anos do projeto. Notas musicais e histórias na primeira pessoa vão preencher o espaço, com muitas surpresas à mistura, revisitando um repertório inédito de crianças, adultos e seniores que ao longo dos anos contribuíram para o projeto. “Marcamos encontro com todas as pessoas que direta e indiretamente colaboraram com a Orquestra, num gesto de reconhecimento pelo valor do capital humano que distingue a gente do nosso território, sempre aberta a novos desafios”. É este o convite da Orquestra Criativa.

Aberta a pessoas dos oito aos 95 anos, com ou sem deficiência, com ou sem instrumento musical, “basta que gostem de cantar, tocar ou apenas de participar”, a Orquestra Criativa é dissociada dos modelos convencionais de concerto, com repertório musical resultado do empenho de vários grupos com experiências e realidades distintas, criando momentos emocionalmente intensos partilhados com o público. Tendo como base a mudança permanente, criam-se espetáculos que cruzam artes, vidas e conceitos, e que refletem a diversidade de quem neles participa, contribuindo para a criatividade e respeito pela diferença.


Palavras-chave: ,

- Fevereiro 10, 2019

Relacionados

Os ritmos do Brasil em mais “Uma Dança por Mês” no cineteatro

As danças urbanas voltam à sala de ensaios do Cineteatro António Lamoso, em mais uma iniciativa “Uma Dança por Mês”, do Ballet Contemporâneo do Norte. Em abril, o país em foco é o Brasil, com o dançarino Renann Fontoura a fazer um “pequeno paralelo entre o hip-hop e o funk”. Integrada no programa €UROTRA$H, a […]

Já cheira a Imaginarius. De um globo gigante, sairão atores, dançarinos, trapezistas e músicos. Memórias de infância em todo o seu esplendor

O próximo Imaginarius dá as boas-vindas ao mundo imaginário. Imaginar um globo gigante de onde exalam atores, dançarinos, trapezistas e músicos, com várias projeções e momentos de pirotecnia. O desafio é entrar no espetáculo repleto de energia. Tudo preparado para a produção “Globe”? O encontro está marcado para os dias 24 e 25 de maio, […]

Mais de 700 bailarinos de todo o mundo competem no Europarque

O Concurso Internacional de Bailado (CIB) do Porto 2019 vai realizar-se entre os dias 4 e 7 de abril, no Europarque, em Santa Maria da Feira. A 9.ª edição do concurso contará com a participação de mais de 700 bailarinos de todo o mundo. O principal objetivo deste concurso é premiar e apoiar jovens bailarinos […]