Eva Luna, a pequena bailarina trouxe um terceiro lugar dos Estados Unidos. “Quando danço sinto-me feliz. Sinto que o mundo inteiro parou”

pub

Todos os anos, a Cria Sonhos Escola de Dança, instalada em Santa Maria da Feira, atribui uma bolsa de estudo de aulas particulares a um aluno. A dedicação, o empenho, a assiduidade, a evolução técnica e artística são os critérios que guiam essa bolsa. Eva Luna ganhou a bolsa no ano letivo de 2017/2018. Janete Brandão, professora de dança da Cria Sonhos, explica a escolha. “A Eva Luna – desde os 4 anos que nos habituou assim – é uma aluna muito empenhada, muito responsável e, claro, com muito talento”.

As aulas particulares começaram, aprimorou-se o trabalho técnico de dança clássica, trabalharam-se outras vertentes da dança. Janete Brandão decidiu então propor à Eva e aos pais a participação no Festival Norte Dança, uma competição que todos os anos acontece no Porto. Em abril deste ano, a coreografia de contemporâneo ficou em 3.º lugar nessa competição. Passado uns meses, a professora de dança recebeu um email da All Dance World a dar os parabéns pelo resultado obtido. E não só. Havia um convite para Eva Luna participar no All Dance World, em Orlando, nos Estados Unidos da América.

O All Dance World é uma competição a nível mundial, que acontece na cidade de Orlando, Florida, tendo como sede oficial o Hotel Hilton Orlando Resort. Existe há 10 anos e abrange vários tipos de dança, desde a dança clássica, contemporânea, neoclássico, jazz, tap, hip-hop, danças étnicas, danças latinas, danças árabes e teatro musical. E tem quatro escalões consoante das faixas etárias: minis, crianças, jovens e adultos.

De um total de 35 mil bailarinos de diferentes países do mundo, foram selecionados cerca de 700 que participaram na competição.

A pequena bailarina, de nove anos, participou no escalão crianças (7-11 anos) com um solo de Dança Contemporânea e um solo de Dança Clássica. No seu escalão, em solo de dança contemporânea, estavam seis concorrentes – uma escola do Chile, uma do Peru, uma da República Dominicana, duas de Portugal e uma do Equador. O primeiro lugar foi para o Chile, o segundo para a República Dominicana, e o terceiro para Portugal, para Eva Luna.

Eva Luna quer ser bailarina. Se pudesse passava todos os segundos a dançar. “Quando danço sinto-me feliz. Sinto que o mundo inteiro parou e só existo eu e a minha dança, que me faz voar. Nesses momentos sei que consigo fazer tudo o que quiser. Não há impossíveis”, conta. “Em relação à dança, em cada aula procuro empenhar-me e dedicar-me ao máximo, para poder novamente viver a sensação inexplicável que dançar me proporciona”, acrescenta. Dedicada e empenhada na escola, na dança, no violino. “Tenho brio em fazer o melhor possível em tudo aquilo que faço. Até porque só assim agradeço todas as experiências fantásticas que a minha vida me proporcionou, toda a dedicação dos meus professores e apoio da minha família e amigos”, diz.

Eva Luna agradece, de coração aberto, a dedicação de Janete Brandão. E a professora de dança não esquece o que sentiu naquele dia, em Orlando. “Foi uma sensação maravilhosa estar no palco, com a bandeira de Portugal, com a Eva ao meu lado e ouvir 3.º lugar: Portugal (pausa, porque tinham dificuldade em pronunciar o nome da escola) e, de seguida, Escola Cria Sonhos”.  “Valeu a pena todo o esforço, todas as aulas particulares, todas as horas extra de trabalho, ter ficado longe da minha filha uma semana, a Eva ter ficado longe da família (e da escola) uma semana… tudo valeu a pena, claro!”

Eva Luna, natural de Espinho, estuda dança em Santa Maria da Feira desde os quatro anos de idade. “E desde essa idade que sempre revelou um talento especial e uma maturidade também especial para a idade. Aos quatro anos, a Eva transmitiu-me a confiança necessária para ser a personagem principal no primeiro espetáculo da Escola: ‘Fada Pinha Seca e o Festival das Compotas Mágicas’ – uma criação inédita da Cria Sonhos. Assumir a personagem principal de um espetáculo é uma responsabilidade enorme, porque é a personagem que sustenta a história e é o fio condutor de todo o espetáculo”, recorda Janete Brandão. Eva portou-se lindamente.

Neste ano letivo, Eva Luana está no Programa Intensivo Cria Sonhos, onde tem dança clássica, dança contemporânea, barra de chão, sapateado e alguns workshops de outras vertentes. A experiência internacional nunca mais será esquecida. “A Eva evoluiu imenso com esta experiência e cresceu muito como bailarina – que é o nosso objetivo principal com a participação em competições de dança”, adianta a professora. Além da participação na competição, ao longo da semana que esteve em Orlando, a bailarina de nove anos entrou em vários workshops: Danças Árabes com Mario Mejias, Tap com Ana Cristina Jarrin, Jazz com Sandra Correa e Celestine Eagle, Hip-Hop com Drako, Contemporâneo e Lyrical com Mollee Gray, Hip-Hop Lyrical com Jake Jane e Dança Clássica com Julius Brewster.

 


Palavras-chave: , , ,

- Dezembro 16, 2018

Relacionados