Técnicos da APA explicam POC esta segunda-feira em Espinho

pub

A demolição do bairro da Praia de Paramos e outras medidas no âmbito do Programa da Orla Costeira Caminha-Espinho, em fase de consulta pública, voltarão às primeiras linhas da atualidade em Espinho, com a realização, esta segunda-feira, às 21h00, de uma sessão pública de esclarecimento no Centro Multimeios, naquela cidade.

A iniciativa é da Câmara de Espinho, que tem vindo a contestar o documento, e contará com a presença de responsáveis técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente e do presidente da Câmara, Pinto Moreira.

Segundo a autarquia, a presença destes técnicos que tutelam o programa da Orla Costeira Caminha-Espinho constitui uma oportunidade para esclarecer um conjunto de questões que preocupam autarcas, populações e agentes económicos.

Além da demolição de várias habitações, o Programa da Orla Costeira poderá obrigar à deslocalização da Etar de Paramos, gerida pela SIMRia.


Palavras-chave: , , , , ,

- Novembro 25, 2018

Relacionados

Moradores e autarcas contestam retirada da Praia de Paramos quando “Etar é primeira casa em risco”

A população da Praia de Paramos, que acorreu em grande número ao centro Multimeios para se esclarecer sobre o Programa da Orla Costeira Caminha-Espinho, que prevê a demolição e o realojamento de uma parte do bairro piscatório não saiu convencida com os esclarecimentos da Agência Portuguesa do Ambiente que acedeu ao desafio lançado pelo presidente […]

Mutualidades Portuguesas aprovam adesão à União Mundial em Espinho

Espinho acolheu este sábado a Assembleia Geral da União das Mutualidades Portuguesas que, entre outras decisões tomadas e assuntos discutidos, aprovou a adesão à União Mundial das Mutualidades, constituída a 5 de junho último em Genebra na Suíça. A associação mutualista A Familiar de Espinho foi a anfitriã desta sessão onde foi anunciada a indigitação […]

Meio milhão para intervenção do POOC em Paramos não contempla realojamento das famílias

O Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Caminha-Espinho, que prevê a demolição de habitações e equipamentos situados em zonas consideradas de risco por causa do avanço do mar, continua na ordem do dia, pela contestação de autarcas, empresários e moradores. A demolição e a deslocalização de famílias que vivem no aglomerado da praia de […]