Política

Dinheiro no banco, urgência sem obra

pub

O deputado do PSD, António Topa, pediu ajuda à ministra da Saúde para que interceda junto do homólogo das Finanças para que avance a obra de ampliação da urgência do Hospital São Sebastião. Segundo o parlamentar, eleito pelo Círculo de Aveiro, a administração da unidade hospitalar tem fundos próprios, à ordem do banco, o concurso da empreitada já foi aberto em 2016, mas a obra não avança devido à política de cativações que o Governo vem assumindo.

“O dinheiro para fazer esta construção está no banco, num depósito a prazo, porque são fundos próprios do hospital, destinados à obra. Desde 2016, o Ministério das Finanças só tem de dizer: ‘utilizem-se os fundos próprios’. E até agora, não tem dito nada”, referiu António Topa, exortando a ministra a convencer o homólogo das Finanças a dar ordem para que a ampliação da urgência avance, resolvendo um problema de 340 mil habitantes dos concelhos de Santa Maria da Feira, São João da Madeira, Vale de Cambra, Oliveira de Azeméis e Arouca.

António Topa recordou, por outro lado, que o maior problema do Hospital São Sebastião, “que até tem uma gestão equilibrada”, é o serviço de urgência, que não tem dimensão. Em 2016 foi aberto um concurso para a construção, tendo, até, sido selecionados candidatos.

“Todos os anos faço esta pergunta, porque sei que se o hospital tivesse uma urgência em condições, funcionaria muito melhor”, sublinhou António Topa, dirigindo-se à ministra da Saúde, a quem solicitou que “ajude a que o Ministério das Finanças desbloqueie esta situação, porque o dinheiro existe, pelo que não se sabe qual é o problema para que a obra não ande”.

 


Política - Novembro 22, 2018

Relacionados