Concelhos

Chapéu no centro das atenções de um festival que celebra a chapelaria

pub

A segunda edição do Festival Hat Weekend começa nesta sexta-feira e termina domingo. São João da Madeira volta a celebrar a indústria chapeleira e as tradições da região, num fim de semana que ocupará as ruas, as salas e os espaços expositivos da cidade. Instalações, residências artísticas, teatro, feiras, concertos, artes performativas, workshops e desfiles são algumas das atividades de acesso livre que pretendem reforçar o papel de São João da Madeira enquanto “capital” do chapéu.

 

Partindo do espólio e da recolha que o Museu da Chapelaria tem feito em torno da história do chapéu e da sua relação com a zona, o evento aposta na criação de um diálogo entre diferentes comunidades da região, a cultura local e a identidade da cidade. Para tal, uma das apostas deste festival urbano é a exploração de diversas atividades interativas e imersivas que, dialogando com a cidade, aproximem a população local e visitante à riqueza da história chapeleira sanjoanense.

Uma das iniciativas do Festival Hat Weekend, comissariada pelo Canal 180, envolverá um conjunto de artistas urbanos convidados a intervir na cidade. Os grafitters irão, em regime de residência artística, desenvolver um projeto que envolve diretamente a comunidade na produção de obras que descubram novos olhares sobre o património edificado e imaterial de São João da Madeira.

Reforçada será também a participação de várias comunidades culturais e identitárias na festa, através do desafio lançado às estruturas de criação local para a conceção e apresentação de obras inéditas, assim como o envolvimento dos principais agrupamentos de música e coletividades culturais locais. Exemplo disso é a coprodução assumida pela Associação de Jovens Ecos Urbanos para a criação de um espetáculo comunitário que envolverá os habitantes de São João da Madeira num projeto multidisciplinar que potencie o cruzamento entre diferentes comunidades da cidade, as suas competências e a sua relação com a cultura.

A par da música e das artes visuais, será ainda possível provar a gastronomia da região, conhecer lojas e o trabalho de designers contemporâneos, numa feira do feltro, ou assistir a desfiles de confrarias e bandas filarmónicas.

Na noite desta sexta-feira há um espetáculo único de vídeo mapping, que combina luz e projeção de imagens, com som e teatro-circo, numa apresentação multimédia inovadora. Sob o título “Tangran e o Chapeleiro”, esta é uma criação da companhia ARTELIER? produzida especialmente para este festival, como uma luminosa homenagem ao património da chapelaria. Começa às 22h30, na Praça 25 de Abril (em frente à Casa da Criatividade).

Mas há mais no programa deste primeiro dia do Hat Weekend, cujo programa abre, às 18h00, no Museu da Chapelaria com a inauguração da primeira obra do Circuito de Arte Urbana associado ao evento. Uma hora depois, na Praça Luís Ribeiro, é inaugurada instalação “Coincidências e Identidades”, organizada pelo Trilho – Santa Casa da Misericórdia de São João da Madeira. Segue-se, pelas 19h30, na Rua Padre Oliveira (zonas de bares do centro da cidade) a abertura do labirinto sensorial “Fundição de Memórias”, uma iniciativa da Associação de Jovens Ecos Urbanos.

Paralelamente, haverá muitas outras atividades, tendo como palco de referência a Praça Luís Ribeiro, onde haverá já, entre as 19h00 e as 20h00, um “cheirinho” da feira de doçaria “Chapéus Doces” e da “Feira do Feltro e do Chapéu” que vão marcar os dias de sábado e de domingo, das 10h30 às 20h00.


Concelhos - Julho 20, 2018

Relacionados