Presidente da República ligou a Emídio Sousa durante incêndio no centro histórico da Feira

pub

O presidente da Câmara da Feira, Emídio Sousa, confessa a sua surpresa quando no domingo, por volta das 17h00, no meio da grande azáfama das operações de rescaldo do incêndio que deflagrou no centro histórico da cidade, recebeu uma chamada telefónica do Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa tinha chegado da Rússia, onde assistiu ao jogo que ditou o afastamento de Portugal do Mundial de Futebol, frente ao Uruguai de Cavani e Luís Suárez, e ao aperceber-se das imagens e dos relatos da televisão do incêndio que devorava dois edifícios, quis inteirar-se da situação.

“Foi um telefonema que muito me surpreendeu, mas que demonstra uma atenção muito grande a todo o País e a todos os episódios do País”, adianta Emídio Sousa.

O Presidente da República, que tem deslocação agendada no início de Agosto à Viagem Medieval, quis saber “como estavam as coisas no terreno, se havia feridos, quais os prejuízos”, revela o autarca de Santa Maria da Feira, sensibilizado pela preocupação do mais alto magistrado da nação em saber se “era necessária alguma coisa”.

Emídio Sousa aproveitou a reunião do executivo municipal desta segunda-feira para expressar um “voto de louvor” a todos os que “eficazmente participaram no combate ao fogo e evitaram que ele se propagasse a outros edifícios”, incluindo nesse voto a Polícia pela gestão do trânsito e das centenas de pessoas que acorreram ao Rossio na tarde do último domingo.

Dois dias depois, o foco é o presente e o futuro. Os serviços do Município têm vindo a vistoriar os edifícios afetados. Segundo o autarca, as indicações vão no sentido de que não haverá risco de derrocada das fachadas.

O vereador da Proteção Civil Municipal, Vítor Marques, tem estado a acompanhar de perto o dossiê. A prioridade vai no sentido de notificar os proprietários a remover os escombros e estudar com os proprietários as hipóteses de recuperar os edifícios, mas “ainda é cedo para uma decisão concreta”. O Rossio está integrado na Área de Reabilitação Urbana do centro histórico e não é descurada na análise a possibilidade de os proprietários recorrerem a esse mecanismo que comporta alguns incentivos.

Ainda segundo Emídio Sousa, o incêndio, pelas suas consequências, não deverá condicionar a Viagem Medieval que decorrerá nos primeiros 12 dias de Agosto e que terá no Rossio, um dos seus epicentros. A maior condicionante estará do lado dos comerciantes afetados pelo incêndio.


Palavras-chave: , , , , ,

- Julho 3, 2018

Relacionados

Marcelo Rebelo de Sousa visita Viagem Medieval a 3 de Agosto

O presidente da República desloca-se a Santa Maria da Feira no dia 3 de agosto, correspondendo assim ao convite formulado em Abril último pelo Município, por ocasião do Congresso da CIP (Confederação Empresarial de Portugal), no Europarque. Marcelo Rebelo de Sousa visitará aquela que é apresentada como o maior evento de recriação histórica em Portugal […]

PS diz que modelo de apoio ao associativismo está em “falência”

O Partido Socialista considera que o subsídio atribuído, com o voto favorável do PS, ao Rancho As Florinhas de Caldas de São Jorge para a construção da sua sede revela a “falência” do Plano de Apoio aos Projetos Culturais (PAPC). A líder da bancada do PS no executivo municipal, Margarida Gariso, que defende um modelo […]

Incêndio no centro histórico da Feira afeta vários restaurantes. Não há feridos, as causas estão por apurar

Um incêndio que deflagrou à hora de almoço deste domingo, pelas 13h30, no Rossio, no centro histórico de Santa Maria da Feira, afetou o bar Escadas para o Céu, onde deflagrou, o restaurante Charrette, o restaurante Rossio e o Salviano, que estava fechado para obras há já algum tempo. Não há feridos a registar, as […]