Buscas na Câmara da Feira relacionadas com concurso de manutenção dos jardins do Europarque

pub

A Câmara de Santa Maria da Feira foi uma das autarquias objeto de buscas, esta quarta-feira, de manhã, pela Polícia Judiciária, no âmbito da operação Tutti-Frutti, desencadeada com uma investigação de uma alegada rede, constituída maioritariamente por militantes do PSD que visaria a adjudicação de contratos públicos a militantes do partido.

O presidente da Câmara da Feira, Emídio Sousa, confirmou a realização de buscas na autarquia,acrescentando que se relacionam com “a investigação a uma empresa de Carlos Eduardo Reis, ligado ao PSD, que ganhou um concurso público para a manutenção dos espaços verdes do Europarque”.

“Estiveram cá os inspetores, a mando do Ministério Público, e levaram um CD com todas as peças do processo do concurso público”, explicou o autarca, afirmando-se “totalmente confortável”.

“Desconheço completamente a pessoa em causa, nem sabia quem eram os donos da empresa, fiquei a saber hoje. Tem a ver com uma investigação que está a ser conduzida pelo Ministério Público de Lisboa e dado que a empresa tem um contrato connosco, está no código dos contratos públicos, os inspetores vieram cá e entregámos a documentação que nos pediram”, esclareceu.

A operação foi desencadeada de norte a sul do país e nos Açores e incluiu cerca de 70 buscas a câmaras, juntas de freguesia, instalações do PSD e do PS, empresas, escritórios de advogados e domicílios. Essas buscas envolveram a presença de três juízes de instrução, 12 magistrados do Ministério Público, peritos informáticos e financeiros e inspetores da Policia judiciária, num total de duas centenas de pessoas.

 

Tem a ver com uma investigação que está a ser conduzida pelo Ministério Público de Lisboa e dado que a empresa tem um contrato connosco, está no código dos contratos públicos, os inspetores vieram cá e entregámos a documentação que nos pediram”, esclareceu Emídio Sousa, presidente da Câmara da Feira.

 

De acordo com a mesma nota, ter-se-á apurado que um grupo de indivíduos ligados às estruturas de partido político, desenvolveram entre si influências destinadas a alcançar a celebração de contratos públicos, incluindo avenças com pessoas singulares e outras posições estratégicas.

O inquérito encontra-se em segredo de justiça e a investigação prossegue sob direção do Ministério Público na secção distrital do DIAP de Lisboa, com a coadjuvação da Polícia Judiciária.


Palavras-chave: , , ,

- Junho 27, 2018

Relacionados

19 candidatos a fazer arte urbana em parques de lazer e de habitação social

Terminou o prazo para apresentação de propostas ao concurso Urbanidades do Eixo que convocou jovens com menos de 30 anos da Eurorregião do Norte de Portugal e da Galiza, de diferentes domínios da arte urbana, para intervirem em espaços públicos do concelho de Santa Maria da Feira e o vereador da Cultura do Município não […]

Pavilhão de Mozelos tinha prazo de conclusão de 400 dias e já leva 200 de derrapagem

Em Mozelos, diz-se que é uma obra de Mafra. O caderno de encargos previa que o pavilhão municipal, no lugar do Murado, levasse 400 dias a ser erguido e colocado à disposição da comunidade. De prorrogação em prorrogação de prazo, solicitadas pelo empreiteiro e concedidas graciosamente pela Câmara Municipal, aos 400 dias já se somaram […]

Marcelo Rebelo de Sousa visita Viagem Medieval a 3 de Agosto

O presidente da República desloca-se a Santa Maria da Feira no dia 3 de agosto, correspondendo assim ao convite formulado em Abril último pelo Município, por ocasião do Congresso da CIP (Confederação Empresarial de Portugal), no Europarque. Marcelo Rebelo de Sousa visitará aquela que é apresentada como o maior evento de recriação histórica em Portugal […]