d'outras

PCP contra o encerramento de balcões da Caixa Geral de Depósitos no distrito de Aveiro

O PCP adianta, em comunicado, que tem informações que indicam que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) prepara-se para encerrar cinco balcões no distrito de Aveiro. E o PCP discorda desta decisão, já que, sublinha, “contraria os interesses das populações e das empresas (particularmente das micro, pequenas e médias), conduzindo à supressão de diversos postos de trabalho e apenas contribuindo para colocar mais pressão e congestionar os restantes balcões”.

A deputada do PCP Diana Ferreira estará nesta terça feira, pelas 10h30, junto às instalações da CGD de Nogueira do Cravo, em Oliveira de Azeméis, para uma acção contra o encerramento do balcão dessa Caixa.

O PCP adianta que nos balcões a encerrar estará o edifício sede da CGD em Aveiro que, ao que foi possível apurar pelo partido, “será convertido em unidade hoteleira, sendo que alguns dos seus trabalhadores foram já transferidos para o Porto e Coimbra”. Na lista, estão também os balcões da Universidade de Aveiro, Avanca (Estarreja), Nogueira do Cravo (Oliveira de Azeméis) e Rio Meão (Santa Maria da Feira).

O PCP rejeita critérios economicistas na administração de uma entidade pública como a CGD. “Porém, neste caso, é ainda mais grave pois estes critérios não podem ser aplicados, por se tratar de áreas densamente povoadas, com relevante actividade económica”. “Torna-se evidente que o que está em causa é uma política de desmembramento e desvalorização da CGD, numa autêntica operação de gestão danosa, para não dizer eivada de objectivos que pretendem retirar a CGD da esfera pública”, refere, em comunicado.

O PCP considera que a CGD tem um papel de serviço público, que corresponde aos interesses da economia nacional e do desenvolvimento do país. Perante a situação, o grupo parlamentar do PCP vai confrontar o Governo acerca desta matéria e exigir “a pronta intervenção para interrupção deste processo”. E apela às populações visadas “que não se resignem e lutem, demonstrando vivamente a sua indignação, pois apenas a força do povo pode impedir mais esta machadada na soberania do país”.


d'outras - Junho 18, 2018

pub

Relacionados