Política

PCP destaca “bom período” do têxtil

pub

O PCP dedicou um dia ao setor têxtil que incluiu a visita do deputado comunista ao Parlamento Europeu, Miguel Viegas, à empresa Flexitex, de São João da Madeira, especializada no revestimento de colchões, a que se seguiu uma audição com trabalhadores do setor no Museu da Chapelaria, no mesmo Concelho.

A funcionar desde 1964, a Flexitex emprega cerca de 100 trabalhadores e tem procurado adaptar-se às constantes mudanças de um mercado cada vez mais globalizado e as suas vendas estão, atualmente, mais centradas no mercado interno, na medida em que se torna cada vez mais difícil concorrer com países terceiros como a Turquia, onde os custos de contexto são muito inferiores, nomeadamente na área energética.

Para o PCP, as candidaturas aos apoios da União Europeia são outro aspeto crítico tendo em conta a “elevada burocracia e morosidade dos processos” que dificulta o acesso a muitas pequenas e médias empresas. “Contrariamente ao discurso da Comissão Europeia, a tão apregoada simplificação dos regulamentos associados aos fundos estruturais ainda não chegou ao terreno”, sublinha o partido numa nota distribuída à imprensa

Na audição com trabalhadores do sector têxtil, onde não faltaram as suas organizações representativas, o PCP fez um ponto de situação do sector que está, neste momento, a passar por “um bom período com lucros elevados e crescimento de atividade”. Aproveitou o PCP para assinalar que os aumentos do salário mínimo nacional não provocaram qualquer “hecatombe como previam as instituições europeias e todo os habituais comentadores da área económica”. “Antes pelo contrário, tivemos um aumento do emprego e a perfeita noção de que era claramente possível elevar o salário mínimo para os 600 euros sem beliscar o funcionamento das empresas”, refere a mesma nota.

O PCP ressalva que , apesar da conjuntura, “persistem situações de exploração extrema que importa denunciar, designadamente em algumas empresas que impõem uma flexibilização extrema dos horários de trabalho à margem da lei e da contratação coletiva”. Segundo a mesma força política, a presença de empresas de aluguer de mão-de-obra “acaba por fomentar esta exploração, precarizando ao máximo as relações laborais”.


Palavras-chave: , , ,

Política - Junho 7, 2018

Relacionados

Câmara e agrupamentos de escolas estabelecem memorando de entendimento

A Câmara Municipal de S. João da Madeira e os três agrupamentos de escolas da cidade reuniram, no passado dia 18 de julho, no sentido de assinar um “Memorando de Entendimento”, no qual se assume a implementação de diversas medidas concretas tendo já em vista o próximo ano letivo. Esse documento, que traduz o entendimento […]

Gin regressa à Praça no início de setembro com edição especial dedicada aos anos 80

Os anos 80 são a inspiração temática da edição deste ano das “Gin Sessions”, marcadas para os dias 7 e 8 de setembro (sexta-feira e sábado) em S. João da Madeira, com a ampla Praça Luís Ribeiro transformada na maior pista de dança ao ar livre ao estilo dessa década inesquecível do século vinte. Tendo […]

Exposição na Oliva reúne trabalhos de utentes do Centro Hospitalar

O Centro de Arte da Oliva Creative Factory, em São João da Madeira, recebe a exposição “Normativos? talvez… não!”, que reúne as obras realizadas pelos Utentes da Unidade de Reabilitação Psicossocial, pertencente ao Departamento de Saúde Mental, do Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga (CHEDV). O projeto, que tem como objetivo utilizar a […]