Pré-selagem e queimador vão “minimizar” queixas de vizinhos do aterro de Canedo

pub

Os problemas dos odores com que se confrontam os moradores nos lugares que rodeiam o aterro de Gestal, Canedo, que serve os municípios da Feira e Gaia, continuam na ordem do dia. A regularidade e a intensidade com que acontecem já levaram a oposição na Assembleia da União de Freguesias de Canedo, Vale e Vila Maior a propor a constituição de uma comissão de acompanhamento e fiscalização das obrigações contratuais do aterro sanitário. Uma proposta que esbarrou maioria social-democrata, que não deixa de reconhecer a existência do problema, mas crê que poderá ser minimizado a curto prazo.

Em declarações ao Donline, Paulo Oliveira, presidente da Junta da União de Freguesias de Canedo, atribui um período de maior intensidade dos odores com o facto de a primeira célula de deposição estar a atingir o seu ponto mais alto. “A deposição dos resíduos está a ser feita a uma cota superior e o vento quando sopra de determinado quadrante faz com que os cheiros se sintam mais em Sobreda”, explica.

O autarca adianta que está prevista a pré-selagem dessa célula, através da colocação de uma tela de impermeabilização sobre os resíduos já depositados, que, com o tempo, vão abater para depois se proceder à selagem final, crendo que isso minimizará o problema.

 

Incêndios destruíram cortina arbórea

A Suldouro, entidade que gere o sistema de tratamento e valorização do lixo dos concelhos de Gaia e Feira, prevê que o queimador, que está a ser desativado no aterro de Sermonde, deverá ser colocado a funcionar em Canedo dentro de um mês, e que, a partir desse momento, os odores irão “diminuir de forma significativa, mas não serão totalmente eliminados”.

Os incêndios do verão do ano passado destruíram a cortina arbórea que separava o aterro do Gestal das povoações, deixando de desempenhar o seu papel de filtro do ar. Paulo Oliveira tem a indicação de que está prevista a reflorestação, com a colaboração do Parque Biológico de Gaia, que iniciará em breve um conjunto de plantações, até para substituir algumas espécies que não vingaram.

 

Mau estado dos arruamentos persiste

A população da zona envolvente queixa-se ainda do mau estado de alguns arruamentos. Parte deles já foram intervencionados, mas há situações em que o pavimento ainda não foi reposto. O presidente da Junta sacode a responsabilidade para a PT que não deslocou postes que ficaram no meio da via de circulação – em resultado de alargamentos -, apesar de já ter recebido “um conjunto largo de comunicações nossas a solicitar essa transferência dos postes para as bermas”. “Não o fazendo, não podemos pavimentar, porque estaríamos a contribuir para que mais facilmente ocorressem acidentes”, argumenta, supondo que “a breve prazo, o problema será resolvido”.

 

Foto: DR


Palavras-chave: , , , , ,

- Junho 3, 2018

Relacionados

Fecho do balcão da CGD motiva assembleia popular em Rio Meão

Os órgãos autárquicos de Rio Meão vão promover uma assembleia popular no decurso da próxima semana para contestar o encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no final deste mês. Depois do fecho dos balcões do Millennium BCP e do Banco Popular, é a agência da CGD que tem previsto para o fim […]

GNR detém oito suspeitos de tráfico de droga, furto e recetação na Feira e Gaia

A GNR, através do Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial de Santa Maria da Feira, deteve esta semana sete homens e uma mulher, com idades compreendidas entre os 25 e 60 anos, por tráfico de estupefacientes, furto e recetação, nos concelhos de Santa Maria da Feira e de Vila Nova de Gaia. Segundo aquela […]

Feira lança Concurso de Arte Urbana para jovens do Norte e Galiza

A Câmara Municipal de Santa Maria da Feira lançou, em parceria com o Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, uma convocatória para o Concurso de Arte Urbana “Urbanidades do Eixo”, integrado na programação da V Capital da Cultura do Eixo Atlântico. O concurso é aberto a jovens artistas, até aos 30 anos, preferencialmente naturais ou residentes […]