Como apodrece uma relação? Rina, Rui e Cecília dão o corpo ao manifesto no próximo Imaginarius

pub

“Hanno” é uma performance que tem por base o apodrecimento de uma relação. Num cenário realista, o espetador é convidado a invadir o espaço privado de um casal numa ação banal do quotidiano conspurcado pela tensão mental e física. Pesadelo, terapia, raiva, angústia, disputas, batalhas de amor. “Hanno” será tudo isso e será apresentado no próximo Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira no dia 24 de maio às 22h40, no dia seguinte em dose dupla às 19h10 e às 23h00, e no dia 26 às 19h20 e 21h30. Sempre no Rossio.

Rui Paixão, criador, ator e palhaço. Rina Marques, criadora e bailarina. Cecília Costa, criadora musical e baterista. O trio compõe a equipa criativa de “Hanno”. Os três artistas de Santa Maria da Feira venceram a Call, chamada de apoio à criação local do Imaginarius 2018, com uma ideia. “Será uma performance provocadora para as artes de rua e pretende ser um acrescento positivo ao seu desenvolvimento, neste ano tão especial onde o Governo assumiu as artes de rua no seu panorama de apoio artístico. Temos como foco principal o desenvolvimento da dramaturgia e da sua concretização refletindo o espaço público dentro do privado desta relação”, revela Rui Paixão.

“Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, conta Rui Paixão.

O filme “Mes Séances de Lutte”, de Jacques Dollon, funcionou como ponto de partida e o projeto entretanto cresceu para um encontro mais autobiográfico e menos exterior ao grupo. “Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, revela. “Esta é a imagem que queremos refletir neste novo trabalho, a forma como facilmente domesticamos a nossa própria liberdade, seja no amor, no meio profissional, na política… É essencialmente um obrigar ao rompimento do estado domesticado e o dar lugar ao estado selvagem”, acrescenta Rui Paixão.

Tudo partirá de um universo hiper-realista. Um parque de estacionamento, um carro que chega e a partir daí surgem os pesadelos e o invisível torna-se visível. São 30 minutos intensos, sem paragem, e com a energia sempre a aumentar. Sem recurso à palavra mas com uma cumplicidade enorme entre os três intérpretes. “Prevemos que seja explosivamente energético. Baterista ao vivo, movimento, efeitos especiais… e uma história muito forte que vamos partilhar”.

O apodrecimento de uma relação. E relação é uma primeira pista. E como apodrece uma relação? “Uma relação começa a apodrecer quando investimos na tentativa louca de domesticar algo que na sua natureza só cresce se for livre. Criamos em busca dessa liberdade… olhar para o que existe antes da relação apodrecer e deixá-lo existir de uma forma metafórica através da dança, do teatro físico e da música”, responde Rui Paixão.


Palavras-chave: , , ,

- Maio 6, 2018

Relacionados

Câmara sugere sessões de esclarecimento em vez de cartas “frias” da Indaqua

A Câmara de Santa Maria da Feira vai abordar a Indaqua, concessionária dos serviços de água e saneamento no Concelho, no sentido de estabelecer uma parceria para a divulgação e o esclarecimento da população sobre a obrigatoriedade das ligações às redes de água e saneamento. A concessionária tem vindo a remeter cartas aos munícipes focando […]

19 candidatos a fazer arte urbana em parques de lazer e de habitação social

Terminou o prazo para apresentação de propostas ao concurso Urbanidades do Eixo que convocou jovens com menos de 30 anos da Eurorregião do Norte de Portugal e da Galiza, de diferentes domínios da arte urbana, para intervirem em espaços públicos do concelho de Santa Maria da Feira e o vereador da Cultura do Município não […]

Pavilhão de Mozelos tinha prazo de conclusão de 400 dias e já leva 200 de derrapagem

Em Mozelos, diz-se que é uma obra de Mafra. O caderno de encargos previa que o pavilhão municipal, no lugar do Murado, levasse 400 dias a ser erguido e colocado à disposição da comunidade. De prorrogação em prorrogação de prazo, solicitadas pelo empreiteiro e concedidas graciosamente pela Câmara Municipal, aos 400 dias já se somaram […]