Como apodrece uma relação? Rina, Rui e Cecília dão o corpo ao manifesto no próximo Imaginarius

pub

“Hanno” é uma performance que tem por base o apodrecimento de uma relação. Num cenário realista, o espetador é convidado a invadir o espaço privado de um casal numa ação banal do quotidiano conspurcado pela tensão mental e física. Pesadelo, terapia, raiva, angústia, disputas, batalhas de amor. “Hanno” será tudo isso e será apresentado no próximo Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira no dia 24 de maio às 22h40, no dia seguinte em dose dupla às 19h10 e às 23h00, e no dia 26 às 19h20 e 21h30. Sempre no Rossio.

Rui Paixão, criador, ator e palhaço. Rina Marques, criadora e bailarina. Cecília Costa, criadora musical e baterista. O trio compõe a equipa criativa de “Hanno”. Os três artistas de Santa Maria da Feira venceram a Call, chamada de apoio à criação local do Imaginarius 2018, com uma ideia. “Será uma performance provocadora para as artes de rua e pretende ser um acrescento positivo ao seu desenvolvimento, neste ano tão especial onde o Governo assumiu as artes de rua no seu panorama de apoio artístico. Temos como foco principal o desenvolvimento da dramaturgia e da sua concretização refletindo o espaço público dentro do privado desta relação”, revela Rui Paixão.

“Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, conta Rui Paixão.

O filme “Mes Séances de Lutte”, de Jacques Dollon, funcionou como ponto de partida e o projeto entretanto cresceu para um encontro mais autobiográfico e menos exterior ao grupo. “Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, revela. “Esta é a imagem que queremos refletir neste novo trabalho, a forma como facilmente domesticamos a nossa própria liberdade, seja no amor, no meio profissional, na política… É essencialmente um obrigar ao rompimento do estado domesticado e o dar lugar ao estado selvagem”, acrescenta Rui Paixão.

Tudo partirá de um universo hiper-realista. Um parque de estacionamento, um carro que chega e a partir daí surgem os pesadelos e o invisível torna-se visível. São 30 minutos intensos, sem paragem, e com a energia sempre a aumentar. Sem recurso à palavra mas com uma cumplicidade enorme entre os três intérpretes. “Prevemos que seja explosivamente energético. Baterista ao vivo, movimento, efeitos especiais… e uma história muito forte que vamos partilhar”.

O apodrecimento de uma relação. E relação é uma primeira pista. E como apodrece uma relação? “Uma relação começa a apodrecer quando investimos na tentativa louca de domesticar algo que na sua natureza só cresce se for livre. Criamos em busca dessa liberdade… olhar para o que existe antes da relação apodrecer e deixá-lo existir de uma forma metafórica através da dança, do teatro físico e da música”, responde Rui Paixão.


Palavras-chave: , , ,

- Maio 6, 2018

Relacionados

Até 11 de janeiro, inscrições abertas para as meninas fogaceiras

A Câmara de Santa Maria da Feira tem abertas, até 11 de janeiro, as inscrições para a participação das meninas do concelho no Cortejo Cívico e tradicional Procissão da Festa das Fogaceiras, celebrada a 20 de janeiro, feriado municipal. Na primeira semana de janeiro, a ficha de inscrição será distribuída às meninas através das escolas […]

Mais uma chamada, mais uma oportunidade para as artes de rua. O circuito europeu de criação artística está à espera de propostas

Há uma nova oportunidade para a criação artística, uma nova chamada a projetos de artes de rua para entrar no circuito europeu de residências e festivais. Santa Maria da Feira é a única cidade portuguesa parceira no projeto de cooperação europeia “Roundabout Europe”. Artistas emergentes e novos artistas que pretendam criar para o espaço público são […]

Homem de 45 anos detido com 348 doses de haxixe e 11 de liamba

A GNR de Lourosa deteve, no último sábado, um homem de 45 anos por tráfico de estupefacientes, em Santa Maria da Feira. No seguimento de uma ação de fiscalização, os militares mandaram parar uma viatura e o seu condutor adotou um comportamento suspeito. A GNR detetou que o homem tinha na sua posse produto estupefaciente […]