Como apodrece uma relação? Rina, Rui e Cecília dão o corpo ao manifesto no próximo Imaginarius

pub

“Hanno” é uma performance que tem por base o apodrecimento de uma relação. Num cenário realista, o espetador é convidado a invadir o espaço privado de um casal numa ação banal do quotidiano conspurcado pela tensão mental e física. Pesadelo, terapia, raiva, angústia, disputas, batalhas de amor. “Hanno” será tudo isso e será apresentado no próximo Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira no dia 24 de maio às 22h40, no dia seguinte em dose dupla às 19h10 e às 23h00, e no dia 26 às 19h20 e 21h30. Sempre no Rossio.

Rui Paixão, criador, ator e palhaço. Rina Marques, criadora e bailarina. Cecília Costa, criadora musical e baterista. O trio compõe a equipa criativa de “Hanno”. Os três artistas de Santa Maria da Feira venceram a Call, chamada de apoio à criação local do Imaginarius 2018, com uma ideia. “Será uma performance provocadora para as artes de rua e pretende ser um acrescento positivo ao seu desenvolvimento, neste ano tão especial onde o Governo assumiu as artes de rua no seu panorama de apoio artístico. Temos como foco principal o desenvolvimento da dramaturgia e da sua concretização refletindo o espaço público dentro do privado desta relação”, revela Rui Paixão.

“Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, conta Rui Paixão.

O filme “Mes Séances de Lutte”, de Jacques Dollon, funcionou como ponto de partida e o projeto entretanto cresceu para um encontro mais autobiográfico e menos exterior ao grupo. “Hanno foi um elefante branco oferecido ao Papa por um rei português. Relatos contam que o Hanno dançava e fazia vénias ao Papa”, revela. “Esta é a imagem que queremos refletir neste novo trabalho, a forma como facilmente domesticamos a nossa própria liberdade, seja no amor, no meio profissional, na política… É essencialmente um obrigar ao rompimento do estado domesticado e o dar lugar ao estado selvagem”, acrescenta Rui Paixão.

Tudo partirá de um universo hiper-realista. Um parque de estacionamento, um carro que chega e a partir daí surgem os pesadelos e o invisível torna-se visível. São 30 minutos intensos, sem paragem, e com a energia sempre a aumentar. Sem recurso à palavra mas com uma cumplicidade enorme entre os três intérpretes. “Prevemos que seja explosivamente energético. Baterista ao vivo, movimento, efeitos especiais… e uma história muito forte que vamos partilhar”.

O apodrecimento de uma relação. E relação é uma primeira pista. E como apodrece uma relação? “Uma relação começa a apodrecer quando investimos na tentativa louca de domesticar algo que na sua natureza só cresce se for livre. Criamos em busca dessa liberdade… olhar para o que existe antes da relação apodrecer e deixá-lo existir de uma forma metafórica através da dança, do teatro físico e da música”, responde Rui Paixão.


Palavras-chave: , , ,

- Maio 6, 2018

Relacionados

Menus Imaginarius em 11 restaurantes de 24 a 27 de maio

Onze restaurantes da cidade de Santa Maria da Feira aderiram aos Fins de Semana Gastronómicos Porto e Norte de Portugal, que terão lugar no prolongado fim de semana do festival Imaginarius. Ao longo de quatro dias, de 24 a 27 de maio, turistas e visitantes poderão degustar menus criativos, confecionados com produtos endógenos e distintivos […]

Quico Cadaval, ator e contador de histórias, encerra Estafeta de Contos

O ator e contador de histórias galego Quico Cadaval, impulsionador do movimento de teatro radiofónico surgido nos anos 90 na Galiza, vai encerrar a VIII Estafeta de Contos – Conto Com(tigo)!, no dia 18 de maio, no auditório da Biblioteca Municipal de Santa Maria da Feira, às 21h30. A entrada é livre. Quico Cadaval vai […]

Marionetas e fantoches à luz de candeias no Museu do Papel dia 19

No dia 19 de maio, entre as dez da noite e as duas da manhã, acontece mais um “Turno da Noite” no Museu do Papel Terras de Santa Maria, em Paços de Brandão, iniciativa integrada na Noite Europeia dos Museus. Entre marionetas de balcão, marionetas de manipulação direta e fantoches, Rui Sousa e João Sylva […]