Diálogos Improváveis

Frederico Martins: “A fotografia é um reflexo do seu tempo”

Frederico Martins, 39 anos, licenciado em Engenharia das Ciências Agrárias. É hoje um dos maiores fotógrafos de moda do país. Fotografa modelos internacionais, as campanhas do calçado nacional, e dá formação em várias partes do mundo.

pub

Um engenheiro agrónomo que se tornou fotógrafo. A fotografia também precisa de adubo para a sua própria vitalidade?
Claro como tudo na vida, é uma área de permanente renovação e que se precisa de alimentar em tudo aquilo que a rodeia. Daí que é um reflexo do seu tempo.

O digital asfixiou a fotografia de rolo na máquina ou requintou o processo?
Ao início sim, pode-se dizer que aconteceu isso, mas hoje cada uma das tecnologias encontrou o seu espaço, o filme está de volta em força, com marcas a anunciar a reabertura de linhas de produção e com câmaras de filme a voltar a ter imenso valor no mercado de usados.

O Instagram é uma forma de vermos a vida em tons cor-de-rosa?
Acho que sim, é um sítio onde vemos essencialmente coisas bonitas, é fácil cairmos na ilusão de que o que estamos a ver é real ou a totalidade da história, mas na realidade é uma versão super editada que muitas vezes é enganadora. Eu uso para mostrar o meu trabalho e alguma da minha vida por detrás da câmara.

“A fotografia é interpretativa e permite-nos olhar com os olhos que quisermos. Tal como as memórias, tendemos a só guardar as melhores”

A fotografia continua a ser uma das melhores artes para resgatar memórias?
Absolutamente, a fotografia é interpretativa e permite-nos olhar com os olhos que quisermos. Tal como as memórias, tendemos a só guardar as melhores.

Fotografias a preto e branco, fotografias a cores? A cor realmente importa?
Importa claro, a cor tem uma componente psicológica muito forte, não é por acaso que uma imagem a preto e branco é automaticamente “intemporal”. A cor é mais “real”, mais tangível, daí estar mais sujeita ao desgaste do tempo. Uma fotografia a cores intemporal é mais difícil de conseguir.

Com ou sem filtros?
Todos e nenhuns, depende. Nada de preconceitos, por favor.

Há, na verdade, um fotógrafo dentro de cada um de nós? Os telemóveis facilitaram a coisa…
Acho que sim, que há. A diferença é que o talentoso, profissional ou não, produz grandes imagens todos os dias em qualquer lugar e em qualquer situação.

“O talentoso, profissional ou não, produz grandes imagens todos os dias em qualquer lugar e em qualquer situação”

Quantas vezes as mãos tremeram na sessão fotográfica com a atriz-modelo Milla Jovovich?
No dia dos shootings importantes eu aguento-me bem, no dia seguinte é que sinto o impacto físico. Com a Milla não foi diferente, mas como tivemos tempo para conversar durante a manhã, antes do trabalho, tudo ficou mais fácil. Ela é uma simpatia.

Uma boa fotografia pode ser um soco no estômago?
Claro que sim, apesar de que para ser um murro no estômago o contexto tem de ser por si só poderoso.

A fotografia é daquelas coisas que não corre o perigo de esgotar o prazo de validade?
Não esgota certamente. A fotografia e o vídeo são hoje das principais ferramentas de comunicação, muito impulsionado pelas redes sociais. As câmaras fotográficas são hoje um ponto-chave na venda de smartphones e de tantos outros equipamentos. Isso atesta bem a importância que a fotografia tem hoje na vida das pessoas e na forma como se relacionam.

 


Improváveis - Março 21, 2018