Disto & Daquilo

Os ovos não são todos iguais

pub

Pois não. Há ovos maiores e ovos mais pequenos. Há ovos estrelados, cozidos, mexidos, escalfados, batidos. E ovos crus. Há ovos mais frescos do que outros. Há ovos de diferentes tamanhos e pesos. E há o velho teste para perceber se os ovos estão bons ou estragados. Basta colocá-los numa tigela com água fria. Se estiverem frescos, assentam no fundo. Menos frescos, vão ao fundo mas não assentam. Se boiarem, atenção, estão estragados e não podem ser usados.

Um ovo fornece o mesmo valor nutritivo do que 50 gramas de carne. Tem proteínas, cálcio, fósforo, ferro, vitamina A e D. Devem ser guardados num lugar fresco ou no frigorífico e aqui conservam-se entre sete e 10 dias, mas naturalmente sem o mesmo valor alimentício do que quando estavam frescos.

E há uma maneira de guardar as gemas e as claras separadamente. No caso das gemas, devem ser cobertas com água ou leite se estiverem inteiras ou então misturadas com um pouco de sal ou açúcar se estiverem desmanchadas. Gemas guardadas em recipiente fechado nas duas situações. Conservam-se normalmente quatro dias. As claras não precisam de uma preparação especial, basta serem guardadas num recipiente fechado e aguentam-se oito dias.

As cascas dos ovos são porosas, o que significa que absorvem os cheiros dos alimentos que estão por perto. Por isso, convém afastá-los dos cheiros fortes do queijo, cebola, ou bacalhau. Na cozinha, podem ser tratados de várias formas, dependendo do gosto. Ovos estrelados, ovos mexidos, escalfados, em omeletas e tortilhas, cozidos ou batidos, em mousses ou soufflés. Os mais digestivos são os cozidos, os que dão mais trabalho ao estômago são os crus, quentes ou escalfados.

Mas não há só ovos nas cozinhas. Também podem ser transformados em objetos decorativos. Há os ovos da Páscoa, por exemplo, pintados, coloridos, com colagens, e outros materiais. Os ovos também podem decorar pratos como se de flores se tratassem: rodelas de ovos cozidos dão belas flores e os pés podem ser simulados com cebolinho ou tiras de pimento verde.

Há ovos de galinha e há ovos de pata, de cordoniz, e de avestruz (um destes equivale a duas dúzias de ovos de galinha). E há alguns truques como juntar um pitada de sal para obter claras em castelo bem firmes. E há ainda o ovo de Colombo. Reza a história que, certo dia, aqueles que torciam o nariz à descoberta da América lhe disseram que qualquer pessoa podia ter cometido tal proeza. Colombo terá perguntado a essa gente se conseguia colocar e manter um ovo em pé. Ninguém respondeu. Colombo bateu ligeiramente com o ovo na mesa, a casca estalou, modelou uma parte e o ovo ficou em pé. Moral da história: é fácil fazer o que outros fizeram, especialmente quando o aprenderam a fazer.

Foto: DR

 

 


Palavras-chave: ,

Disto & Daquilo - Março 13, 2018

Relacionados

Museu de Santa Maria de Lamas tem atividades lúdicas para os mais novos nas férias da Páscoa

Durante as férias da Páscoa, o Museu de Santa Maria de Lamas disponibiliza aos mais novos atividades lúdicas e pedagógicas inspiradas nas suas coleções. A descoberta de espaços, objetos e histórias são o ponto de partida para um conjunto de iniciativas que apelam à criatividade e ao espírito de equipa. De 26 de março a […]