tiramos as medidas

Bruno Costa

Mestre em gestão de indústrias criativas, é codiretor da Bússola, entidade que fundou em 2012, com Daniel Vilar, e desenvolveu uma visão dinâmica e aberta do setor cultural e criativo. Durante os últimos anos especializou-se nos contextos de internacionalização artística e redes culturais. Dos projetos atuais, destacam-se a direção artística do festival Imaginarius e a coorganização do IETM Porto Plenary Meeting. É frequentador (quase) compulsivo de teatros e fanático por abordagens alternativas ao espaço cénico. Encara as viagens como uma ferramenta basilar para a inovação criativa.

Cultura para entreter ou cultura para pensar?

Entreter como caminho de abertura ao pensamento. A cultura deve ser encarada e “usada” como ferramenta de reflexão e pensamento. Acredito que de outra forma não faria sentido, nem a sua existência, nem o investimento público nestas áreas. Mas creio que no equilíbrio do entretenimento com o pensamento crítico encontramos um caminho bem mais plural, aberto e próximo de todos.

Teatro, cinema, dança, música?

Teatro em primeiro lugar: independentemente do “espaço” é, para mim, uma disciplina privilegiada. No entanto, a dança, como hoje a conhecemos, compete fortemente o meu “tempo de antena”. Efetivamente, acredito que no futuro esta divisão cada vez mais ténue entre disciplinas tende a mudar o paradigma da performance contemporânea.

Jornais, televisão, rádio?

Por incrível que possa parecer, cada vez mais a rádio. Num tempo em que o online substitui o papel e tende a competir com a televisão, que praticamente não assisto, a rádio (re)conquistou um espaço na minha vida que há muito não tinha. Ou será a vontade de voltar a dedicar tempo à música?

Cultura dentro ou fora de portas?

Ambos! O meio está em inovação constante, em mutação, em teste... ir lá fora é essencial para respirar novas abordagens e injetar doses de arrojo dentro de portas.

GPS, relógio, agenda, bloco de notas?

Pergunta complexa! Cada um no seu momento, mas tendo a substituir tudo pelo telemóvel, a ferramenta universal da atualidade.

Peixe ou carne?

Dizem que tenho alguma tendência para a “prova” de sobremesas, mas já que antes disso temos o prato principal, carne, sem dúvida!

Medidas - Fevereiro 18, 2018