tiramos as medidas

Fátima Araújo

Jornalista da RTP, repórter e pivô, apresenta atualmente o Jornal 2 na RTP 2, o 24 Horas na RTP3, e o Manchetes 3 na RTP 3 e na RTP1. É professora de Ateliês de Comunicação no Atlântico Business School. Foi jornalista da TSF, da Rádio Renascença e do Jornal de Notícias. Arquitetura, design, fotografia, viagens, cinema, zumba, pilates, TRX, cycling, cães e cavalos, são os seus hobbies. Natural de Santa Maria da Feira.

Rádio, jornal, televisão?

Todos! Comecei na rádio aos 14 anos, passei pelos jornais e estou na televisão já lá vão 17 outros anos... Ainda hoje, todos eles fazem parte do meu dia a dia profissional e pessoal. Preciso de todos eles! Gosto de todos eles! Fazem parte da minha vida, todos eles!

Relógio, telemóvel, GPS?

Todos! O relógio por vaidade estética! O telemóvel por necessidade absoluta. Não consigo sair de casa sem o telemóvel e proíbo-me de me esquecer dele onde quer que seja. Costumo dizer, em jeito de brincadeira, que a minha vida está toda dentro do telemóvel! O GPS porque ajuda-me a não me perder sempre que tenho de conduzir em cidades ou países desconhecidos e porque foi das invenções mais úteis para a humanidade!

Concerto inesquecível

O dos canadianos Arcade Fire, no Super Bock Super Rock, em 2007. Foi o segundo concerto que a banda deu em Portugal, foi o espetáculo em que eu os descobri (não os conhecia até então) e em que fiquei imediatamente contagiada por aquele som festivo indi-rock e pela atitude daqueles pares que se tornaram numa das bandas de maior culto da nova geração.

Facebook, Instagram, Twitter?

Já tive conta aberta nessas três redes sociais, mas atualmente só tenho conta ativa no Facebook. Não tenho grande tempo, nem grande paciência para as redes sociais, embora lhes reconheça alguma utilidade profissional. De todas, a que mais gostei foi do Instagram, quando era mais usada como repositório artístico de fotografia. A partir do momento em que o Instagram se banalizou com o mesmo tipo de publicações e de conteúdos que vemos no Facebook, perdeu o encanto que tinha para mim.

A viagem por fazer

Algumas (que desejo muito fazer) ainda estão por concretizar... Entre elas, Argentina e Patagónia, Austrália e Nova Zelândia.

Sonho por concretizar

Tornar-me empresária da construção, virada para a arquitetura contemporânea e de linhas direitas, e construir também um parque temático medieval em Santa Maria da Feira, uma espécie de Eurodisney à escala local e com a tónica na história medieval, que eu gostava que nascesse na quinta do castelo da Feira ou na floresta das Guimbras, no centro histórico, e que funcionasse o ano inteiro, para atrair mais turistas à cidade!

Medidas - Janeiro 13, 2018